segunda-feira, 21 de julho de 2014

Acarbose reduces the risk for myocardial infarction in type 2 diabetic patients: meta-analysis of seven long-term studies

M. Hanefeld, M. Cagatay, T. Petrowitdch , D. Neuser, D. Petzinna, M Rupp

European Heart Journal 2004, 25(1):10-16
http://eurheartj.oxfordjournals.org/content/25/1/10.abstract
           
            Trata-se de uma metanálise de dados individuais que reuniu sete ensaios clínicos randomizados, duplo-cegos e controlados por placebo. Os estudos analisados foram publicados entre 1987  e 1999, total de 2.180 pacientes (1.248 receberam acarbose e 932, placebo). O objetivo era investigar se a terapia com acarbose poderia reduzir os eventos cardiovasculares em pacientes com DM tipo 2. Foram critérios de inclusão: pacientes com DM tipo 2, duração mínima de tratamento de 52 semanas e estudos com pelo menos 50 pacientes na amostra. O desfecho primário era o tempo para desenvolver um evento cardiovascular. Eram considerados eventos cardiovasculares: morte de causa cardíaca, eventos cerebrovasculares, doença obstrutiva periférica, angina, infarto do miocárdio, insuficiência cardíaca e procedimentos  de revascularização. Os principais resultados encontrados demonstraram uma redução de risco relativo de 35% em desenvolver qualquer evento cardiovascular a favor dos usuários de acarbose. Entre os pacientes que usaram placebo, 9,4% desenvolveram algum evento cardiovascular, enquanto no grupo acarbose, 6,1% apresentaram o desfecho (P=0,0057). A principal diferença foi encontrada quando o estudo comparava ocorrência de infarto agudo do miocárdio. A redução de risco relativo encontrada foi de 64% a favor do grupo que recebeu acarbose (P=0,0120). A acarbose também foi superior ao placebo na melhora do controle glicêmico, redução de triglicerídeos, perda de peso e redução de níveis pressóricos. Quanto aos eventos adversos relatados, não foi encontrado nenhum evento grave, sendo os mais prevalentes: flatulência, diarréia e dor abdominal, com proporções variadas em cada estudo. Durante o Clube de Revista, os seguintes pontos foram ressaltados:
  • Não foi descrita como foi feita e se foi feita revisão sistemática da literatura (ferramentas de busca utilizadas, bem como os estudos incluídos e excluídos na análise), limitando a confiabilidade da seleção dos estudos;
  • Entre os sete estudos selecionados, um deles foi patrocinado pela indústria farmacêutica (Bayer AG), sendo um possível conflito de interesse não relatado pelo autor;
  • Apesar de utilizar os dados individuais de cada estudo, não houve uma descrição adequada da população de pacientes, principalmente quanto ao tratamento utilizado para o DM, não sendo possível afirmar que o desfecho seria devido de fato ao uso de acarbose;
  • Ao descrever os resultados utilizando a curva de Kaplan-Meier, os valores apresentados na ordenada vertical mostram uma diferença entre os grupos menor do que a curva aparenta;
  • Entre os desfechos analisados individualmente, apenas a ocorrência de infarto agudo do miocárdio teve significância estatística;
  • Não há descrição adequada das taxas de descontinuação do tratamento nem dos eventos adversos ocorridos, sendo esta uma limitação importante da aplicabilidade prática dos resultados do estudo.


     Pílula do Clube: O uso de acarbose em pacientes com DM tipo 2 já apresenta benefícios comprovados principalmente quanto ao controle glicêmico e metabólico. No entanto, pelas evidências disponíveis até o momento, não é possível afirmar que exista um benefício cardiovascular neste grupo de pacientes. 


Discutido no Clube de Revista de 05/05/2014.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Lower versus Traditional Treatment Threshold for Neonatal Hypoglycemia

van Kempen AAMW, Eskes PF, Nuytemans DHGM, van der Lee JH, Dijksman LM, van Veenendaal NR, van der Hulst FJPCM, Moonen RMJ, Zimmermann LJI...