terça-feira, 22 de julho de 2014

Pasireotide Versus Octreotide in Acromegaly: A Headto-Head Superiority Study

A. Colao, M. D. Bronstein, P. Freda, F. Gu, C.-C. Shen, M. Gadelha, M. Fleseriu, A. J. van der Lely, A. J. Farrall, K. Hermosillo Reséndiz, M. Ruffin, Y. Chen, and M. Sheppard on behalf of the Pasireotide C2305 Study Group

J Clin Endocrinol Metab, March 2014, 99(3):791–799.

Este ensaio clínico randomizado multicêntrico teve como objetivo principal comparar a proporção de pacientes com acromegalia sem tratamento medicamentoso prévio que atingiram o controle bioquímico em uso de pasireotide LAR ou octreotide LAR, em 12 meses. Foram rastreados 546 pacientes, dos quais 358 foram randomizados para receber octreotide LAR (n=182) ou pasireotide LAR (n=176). A confirmação de acromegalia era feita pela média de 5 medidas em 2 horas de GH > 5 µg/L ou falha na supressão de GH após teste oral de tolerância à glicose para < 1 µg/L e da medida de IGF-1 elevada para idade e sexo. Eram excluídos aqueles com tratamento medicamentoso prévio, compressão do quiasma óptico com redução de campo visual, necessidade de intervenção cirúrgica por sinais/sintomas de compressão, irradiação de hipófise nos 10 anos anteriores, morbidade cardiovascular e/ou doença hepática importantes, colelitíase sintomática ou HbA1c > 8%. A análise dos resultados foi por intention-to-treat, com exceção da avaliação dos efeitos adversos. Todos os envolvidos eram cegados. O controle bioquímico (definido como GH < 2,5 µg/L e IGF-1 normal para idade e sexo) em 12 meses foi atingido em 31,3% dos pacientes no grupo pasireotide LAR e em 19,2% daqueles no grupo octreotide LAR (OR 1,94; IC 95% 1,19-3,17; P=0,007). Esse resultado foi mais expressivo nos pacientes que já haviam sido submetidos à cirurgia prévia (39,8 vs. 21,8; OR 2,34; IC 95% 1,14-4,79) quando comparados àqueles recém diagnosticados, sem intervenção anterior (25,7 vs. 17,3; OR 1,65; IC 95% 0,85-3,23). Ao final de 12 meses, nos grupos pasierotide LAR e octreotide LAR, respectivamente, o IGF-1 foi normalizado em 38,6% e 23,6% dos pacientes (P=0,002) e o GH < 2,5 µg/L foi atingido em 48,3% e 51,6% dos pacientes (P=0,54). Houve redução do volume do tumor (≥ 20%) em 80,8% no grupo pasireotide LAR e em 77,4% no grupo octreotide LAR. Ambos os tratamentos foram efetivos em melhorar os sintomas e o escore do questionário AcroQoL. Dentre os efeitos adversos relatados o que mais chama a atenção é a maior prevalência de hiperglicemia (28,7% vs. 8,3%) e de DM (19,1% vs. 3,9%) no grupo pasireotide LAR. Durante o clube de revista os seguintes pontos foram ressaltados:
     Não há relato dos 188 pacientes que foram rastreados e que não foram incluídos na randomização; o tratamento de escolha para acromegalia ainda é a cirurgia, entretanto, apenas 40-44% dos pacientes haviam sido submetidos à cirurgia prévia. Estes problemas limitam a validade externa do estudo;
   Os autores utilizaram critérios bioquímicos diferentes dos atuais como indicação de remissão. Análise com o atual ponto de corte não foi realizada;
      Pasireotide foi mais efetivo em reduzir IGF-1, mas foi similar ao octreotide na redução do GH;
     Muitos pacientes que não atingiram o controle (31,0% no grupo pasireotide e 22,2% no grupo octreotide) não receberam otimização da dose apesar de indicada, e o motivo não foi relatado.


Pílula do Clube: O pasireotide LAR pode ser uma alternativa ao octreotide LAR para pacientes com acromegalia sem uso de tratamento medicamentoso prévio, embora determine maior risco de hiperglicemia e DM.

Discutido no Clube de Revista de 09/06/2014.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Lower versus Traditional Treatment Threshold for Neonatal Hypoglycemia

van Kempen AAMW, Eskes PF, Nuytemans DHGM, van der Lee JH, Dijksman LM, van Veenendaal NR, van der Hulst FJPCM, Moonen RMJ, Zimmermann LJI...