quarta-feira, 24 de novembro de 2010

Comentário do Clube de Revista de 16/11/2010

TSH reference values for adult Brazilian population
Pedro Weslley Rosario, Arthur Cezar Malard Xavier, Maria Regina Calsolari
Arq Bras Endocrinol Metab. 2010;54/7 (http://www.scielo.br/pdf/abem/v54n7/03.pdf)

Este estudo aborda a questão dos valores de referência do TSH e se propõe a definir estes valores para a população brasileira a partir de um estudo em uma população de Belo Horizonte, Minas Gerais. Da mesma maneira que estudos já disponíveis na literatura internacional e de acordo com as recomendações da National Academy of Clinical Biochemistry, tentou-se retirar da amostra estudada pacientes com doença tireoideana. Como resultado, os autores apontam como valores de referência para a população brasileira, valores entre 0,43 e 3,24 mIU/L. Após a discussão no Clube de Revista, levantamos as seguintes limitações deste resultado:
  • O estudo não descreve adequadamente como foram selecionados os indivíduos avaliados, o que dificulta a generalização dos resultados (limitação da validade externa).
  • Como limitação a todos os estudos que objetivam avaliar os valores de referência de TSH para o diagnóstico de hipotireoidismo, este estudo também não apresenta correlação com variáveis clínicas, o que - se feito - poderia sugerir o ponto de corte de TSH a partir do qual existe repercussão biológica da disfunção tireoideana. Ainda que este item fosse contemplado, ainda ficaria a indefinição sobre se intervir em pacientes com TSH acima deste ponto de corte se traduziria em algum benefício clínico. De um modo geral, esta é uma limitação do conceito de normalidade atualmente vigente na cultura médica.

sábado, 20 de novembro de 2010

Produções do Clube de Revista


Durante estes três anos de atividade o Clube de Revista já fez algumas contribuições para a literatura, todas elas baseadas nas discussões realizadas nas tardes de terça-feira:

sexta-feira, 19 de novembro de 2010

Comentário do Clube de Revista de 09/11/2010


Effects of Diet and Physical Activity Interventions onWeight Loss and Cardiometabolic Risk Factors in Severely Obese Adults:
 A Randomized Trial
Bret H. Goodpaster; James P. DeLany; Amy D. Otto; et al.
JAMA 2010; 304 (16): 1795-1802


O estudo aborda a questão da efetividade do tratamento não farmacológico em pacientes com obesidade mórbida. Os resultados mostraram que este grupo de pacientes perdeu cerca de 10 Kg (~10% peso corporal) em 1 ano, independente de início do exercício imediatamente ou 6 meses após a randomização. Apesar do resultado interessante, em especial o potencial deste tipo de intervenção ser também efetiva na obesidade mórbida, o estudo apresenta algumas limitações importantes:

  • Seleção apenas de pacientes altamente motivados;
  • Ausência de um grupo controle de pacientes com tratamento não farmacológico ou farmacológico usual;
  • Método de randomização não descrito;
  • Desfecho primário não concordante com o registrado no Clinical Trials (http://clinicaltrials.gov/show/NCT00712127)

Lower versus Traditional Treatment Threshold for Neonatal Hypoglycemia

van Kempen AAMW, Eskes PF, Nuytemans DHGM, van der Lee JH, Dijksman LM, van Veenendaal NR, van der Hulst FJPCM, Moonen RMJ, Zimmermann LJI...