sábado, 7 de abril de 2018

Improving adherence to healthy dietary patterns, genetic risk, and long-term weight gain: gene-diet interaction analysis in two prospective cohort studies


Tiange Wang, Yoriko Heianza, Dianjianyi Sun, Tao Huang, Wenjie Ma, Eric B Rimm, JoAnn E Manson, Frank B Hu, Walter C Willett, Lu Qi

BMJ 2018 Jan 10;360:j5644.

Trata-se de estudo observacional que utilizou dados de duas coortes prospectivas (Nurses’ Health Study e Health Professionals Follow-up Study) com objetivo de avaliar o efeito de três padrões de dieta saudáveis sobre o IMC de pacientes com alto risco genético para obesidade. Foram incluídos 8.000 mulheres e 5.000 homens de ascendência europeia, sem diagnóstico de câncer, diabetes ou doença cardiovascular, seguidos de 1986 a 2006. As avalições de peso, altura e padrão nutricional foram realizadas a cada 4 anos através de questionários. Foram utilizados três padrões diferentes de dieta saudável: Alternate Healthy Eating Index 2010 (AHEI-2010), Dietary Approach to Stop Hypertension (DASH) e Alternate Mediterranean Diet (AMED), todos com estudos prévios demonstrando redução de desfechos cardiovasculares e redução de peso. Os pacientes foram submetidos à avaliação genotípica para 77 polimorfismos associados à obesidade em descendentes de europeus, sendo classificados como de baixo, moderado e alto risco genético. Foi realizada análise multivariada para medidas repetidas para avaliar a associação entre escore de risco genético, escore de adesão aos três tipos de dieta e variação do IMC. Foi conduzida também análise de sensibilidade, incluindo apenas pacientes com menos de 65 anos, sem história de tabagismo e outros 20 polimorfismos para obesidade (não específicos para população européia).
Observou-se que a associação entre aumento do IMC e risco genético foi atenuada com a melhora da adesão à dieta AHEI-2010 na população Nurse´s Health Study (P para interação < 0,001) e Health Professional Follow-up Study (P para interação 0,05). Em números absolutos, ocorreu aumento do IMC de 0,07 em 4 anos, a cada + 10 alelos de risco, no grupo que piorou a adesão à dieta AHEI-2010; já entre aqueles que melhoraram o padrão alimentar, houve redução do IMC em -0,01. Tal variação correspondeu à mudança de peso de + 0,16 kg vs. - 0,02 kg, a cada 4 anos. De outra forma, a cada melhora do Escore AHEI-2010 em 1 desvio-padrão, houve uma redução no IMC de -0,12, -0,14 e -0,18 (que correspondeu a -0,35, -0,36 e -0,50 kg) entre os grupos de baixo, moderado e alto risco genético, respectivamente. Interações semelhantes foram observadas para a dieta DASH, mas não para a AMED. As análises de sensibilidade corroboraram tais resultados. Durante o Clube de Revista foram discutidos os seguintes aspectos:
·         O fato da dieta AMED não ter mostrado interação com IMC e risco genético pode se dever ao fato de que seu escore varia entre 0 e 9 (AHEI-2010 varia de 0-110 e DASH de 9-40), resultando em baixo poder discriminatório;
·         Há robustez nos resultados, uma vez que os dados foram semelhantes para as duas coortes independentes e para as análises de sensibilidade;
·         Não se pode excluir viés de aferição, uma vez que o peso foi auto relatado (mesmo que tenha sido validado em subamostra), nem causalidade reversa e presença de confundidores não mensurados (uma vez que se trata de estudo observacional);
·         O fato da população do atual estudo ser apenas uma pequena amostra da população total das duas coortes deixa margem para viés de seleção. Não fica claro qual foi o critério para realizar exame genético nas pessoas que o realizaram;
·         Apesar dos valores absolutos de redução de peso e IMC serem pequenos, tal resultado é cumulativo para cada 4 anos. Levando-se em consideração de que se trata de população relativamente jovem (média de idade de 55-56 anos) e de alto risco genético para obesidade, mesmo que pequenas, as reduções podem representar benefício clínico importante em longo prazo.

Pílulas do clube: A adesão a um padrão de dieta saudável parece atenuar o risco genético individual para obesidade e mesmo indivíduos com alto risco genético parecem responder com perda de peso quando são adotadas medidas dietéticas.
Discutido no Clube de Revista de 29/01/2018.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Lower versus Traditional Treatment Threshold for Neonatal Hypoglycemia

van Kempen AAMW, Eskes PF, Nuytemans DHGM, van der Lee JH, Dijksman LM, van Veenendaal NR, van der Hulst FJPCM, Moonen RMJ, Zimmermann LJI...