terça-feira, 22 de outubro de 2013

Comentário do Clube de Revista de 22/07/2013

Subclinical Hyperthyroidism and the Risk of Coronary Heart Disease and Mortality

Archives of Internal Medicine 2012, 172:799–809.

Esta revisão sistemática com metanálise de dados individuais teve como objetivo avaliar os riscos de mortalidade total, mortalidade cardiovascular (coronariana e morte súbita), eventos coronarianos e fibrilação atrial (FA) associados com hipertireoidismo subclínico endógeno. Foram incluídas coortes prospectivas com seguimento de mortalidade e desfechos coronarianos, com função tireoidiana (TSH e T4 livre basal) e com grupo controle com eutireoidismo. Foram excluídos estudos com hipertireoidismo clínico, aqueles apenas com participantes em uso de medicações antitireoidianas e tiroxina, e estudos com dados de TSH de ensaios de 1ª geração. Foram determinados pontos de corte para hipertireoidismo subclínico (TSH < 0,45 mUI/L com T4 livre normal; TSH suprimido se < 0,10 mUI/L e baixo se 0,10 a 0,44 mUI/L) e eutireoidismo (TSH 0,45 a 4,49 mUI/L). Foi realizada revisão sistemática de bancos de dados do ano 1950 a 30 de Junho de 2011. Foram coletados dados individuais de 52.674 participantes do total de 10 coortes. Eventos coronarianos foram analisados em 22.437 participantes de 6 coortes com dados disponíveis, enquanto incidência de FA foi analisada em 8.711 participantes de 5 coortes. Em análises ajustadas para sexo e idade, hipertireoidismo subclínico foi associado com aumento de mortalidade total (HR 1,24; IC95% 1,06-1,46), mortalidade cardiovascular (HR 1,29; IC95% 1,02-1,62) e FA (HR 1,68; IC95% 1,16-2,43). Não houve associação significativa com eventos coronarianos (HR 1,21; IC95% 0,99-1,46). Quando realizada análise multivariada (ajustada para fatores de risco cardiovasculares), manteve-se significativa apenas a associação com FA incidente (HR 1,71; IC95% 1,18-2,48). Houve uma tendência para aumento do risco de mortalidade cardiovascular (P 0,02) e de incidência de FA (P 0,03) com TSH suprimido (HR 1,84 [1,12-3,00] e HR 2,54 [1,08-5,99], respectivamente) quando comparado com TSH baixo (HR 1,24 [0,96-1,61] e HR 1,63 [1,10-2,41], respectivamente). Durante o Clube de Revista, os seguintes pontos foram discutidos:
  • Foram incluídos apenas estudos com função tireoidiana basal, sem dados sobre o status de função tireoidiana durante o seguimento e no período próximo aos eventos;
  • Não foram considerados os valores de T3 para definição de hipertireoidismo subclínico, o que pode ter levado à inclusão inadequada de pacientes com tireotoxicose por T3 na análise;
  • Foram realizadas diversas análises de sensibilidade; quando limitadas as análises para estudos com procedimentos formais de julgamento dos desfechos, a associação com morte cardiovascular não sustentou significância.

Pílula do clube: O hipertireoidismo subclínico endógeno está associado com aumento do risco de fibrilação atrial, bem como parece se associar com aumento do risco de mortalidade cardiovascular (coronariana e morte súbita) e de mortalidade total.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ultrasonographic and clinical parameters for early differentiation between precocious puberty and premature thelarche

Liat de Vries, Gadi Horev, Michael Schwartz, and Moshe Phillip European Journal of Endocrinology 2006, 154:891–898 ht...