sábado, 27 de fevereiro de 2016

Monthly High-Dose Vitamin D Treatment for the Prevention of Functional Decline: A Randomized Clinical Trial

Heike A. Bischoff-Ferrari, Bess Dawson-Hughes, John Orav, Hannes B. Staehelin, Otto W. Meyer, Robert Theiler, Walter Dick, Walter C. Willett, Andreas Egli,

JAMA Intern Med 2016, 176(2):175-83

Trata-se de ensaio clínico randomizado, duplo cego com o objetivo de investigar a eficácia do uso de altas doses de vitamina D na diminuição do risco de declínio funcional em idosos. Eram critérios de inclusão: idade maior que 70 anos, história de pelo menos uma queda nos últimos 12 meses e pontuação mínima de 27 no Mini-Mental State Examination. Pacientes que faziam uso prévio de mais de 800 UI diárias de vitamina D eram excluídos. Os pacientes elegíveis eram randomizados em 3 grupos de acordo com o tipo e a dose administrada de vitamina D. O grupo controle recebia 24.000 UI de vitamina D3 por mês; os dois grupos intervenção recebiam 65.000 UI/mês de vitamina D3 e 24.000 UI de vitamina D3 associada a 300 mcg de calcifediol, respectivamente. Os pacientes tinham um seguimento de 1 ano e recebiam visitas médicas no basal e após 6 e 12 meses. Os desfechos primários eram atingir níveis de vitamina D > 30 ng/mL e avaliação do declínio funcional. Este último era avaliado por meio do Short Physical Performance Battery (escore SPPB), utilizado para avaliação do equilíbrio e mobilidade dos membros inferiores em idosos. A incidência de quedas era o principal desfecho secundário.
Foram elegíveis 463 pacientes, 200 randomizados para cada um dos grupos. A média de idade era 78 anos e 67% da amostra era composta de mulheres; 58% dos pacientes tinham deficiência de vitamina D (< 20 ng/mL) no basal. O grupo que recebeu a maior dose mensal (60.000 UI) aumentou os níveis de 25(OH)D em 19,2 ng/mL e o grupo que recebeu calcifediol em associação à vitamina D3 aumentou a 25(OH)D em 25,8 ng/mL, ambos superiores ao grupo controle (P < 0,01). O escore SPPB não foi diferente entre os grupos no seguimento (P = 0,26). O grupo que recebeu 60.000 UI mensais teve um risco relativo (RR) de quedas em 1 ano de 1,47 (P = 0,02) quando comparado ao controle. Já o grupo que recebeu calcifediol em associação à vitamina D3 teve um RR de 1,24 (P = 0,22) para ocorrência de quedas após 1 ano em comparação aos que receberam 24.000 UI mensais. No clube de revista discutimos:
·         Maiores doses de vitamina D não foram associadas a melhora no escore SPPB, ou seja, não determinaram melhora no declínio funcional (equilíbrio, força e marcha) dos idosos;
·         A avaliação dos níveis de vitamina D como desfecho primário não é adequada, visto que, o aumento dos níveis de vitamina D após a reposição já é esperado;
·         O principal resultado do estudo, na verdade, é o aumento na incidência de quedas entre os pacientes que usaram maiores doses de vitamina D, embora a base fisiopatológica para este resultado ainda não seja compreendida;
·         Uma limitação do estudo é a ausência do grupo placebo.

Pílula do clube: O uso de doses altas de vitamina D3 não está associado à prevenção do declínio funcional em idosos e além disso se associa com maior incidência de quedas neste grupo.


Discutido no Clube de Revista de 11/01/2016.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Anabolic Effects of Nandrolone Decanoate in Patients Receiving Dialysis A Randomized Controlled Trial

Kisten L. Johansen, Kathleen Mulligan, Morris Schambelan JAMA 1999, 281(14):1275-81 https://jamanetwork.com/journals/jama/fullarticl...