sábado, 27 de fevereiro de 2016

Monthly High-Dose Vitamin D Treatment for the Prevention of Functional Decline: A Randomized Clinical Trial

Heike A. Bischoff-Ferrari, Bess Dawson-Hughes, John Orav, Hannes B. Staehelin, Otto W. Meyer, Robert Theiler, Walter Dick, Walter C. Willett, Andreas Egli,

JAMA Intern Med 2016, 176(2):175-83

Trata-se de ensaio clínico randomizado, duplo cego com o objetivo de investigar a eficácia do uso de altas doses de vitamina D na diminuição do risco de declínio funcional em idosos. Eram critérios de inclusão: idade maior que 70 anos, história de pelo menos uma queda nos últimos 12 meses e pontuação mínima de 27 no Mini-Mental State Examination. Pacientes que faziam uso prévio de mais de 800 UI diárias de vitamina D eram excluídos. Os pacientes elegíveis eram randomizados em 3 grupos de acordo com o tipo e a dose administrada de vitamina D. O grupo controle recebia 24.000 UI de vitamina D3 por mês; os dois grupos intervenção recebiam 65.000 UI/mês de vitamina D3 e 24.000 UI de vitamina D3 associada a 300 mcg de calcifediol, respectivamente. Os pacientes tinham um seguimento de 1 ano e recebiam visitas médicas no basal e após 6 e 12 meses. Os desfechos primários eram atingir níveis de vitamina D > 30 ng/mL e avaliação do declínio funcional. Este último era avaliado por meio do Short Physical Performance Battery (escore SPPB), utilizado para avaliação do equilíbrio e mobilidade dos membros inferiores em idosos. A incidência de quedas era o principal desfecho secundário.
Foram elegíveis 463 pacientes, 200 randomizados para cada um dos grupos. A média de idade era 78 anos e 67% da amostra era composta de mulheres; 58% dos pacientes tinham deficiência de vitamina D (< 20 ng/mL) no basal. O grupo que recebeu a maior dose mensal (60.000 UI) aumentou os níveis de 25(OH)D em 19,2 ng/mL e o grupo que recebeu calcifediol em associação à vitamina D3 aumentou a 25(OH)D em 25,8 ng/mL, ambos superiores ao grupo controle (P < 0,01). O escore SPPB não foi diferente entre os grupos no seguimento (P = 0,26). O grupo que recebeu 60.000 UI mensais teve um risco relativo (RR) de quedas em 1 ano de 1,47 (P = 0,02) quando comparado ao controle. Já o grupo que recebeu calcifediol em associação à vitamina D3 teve um RR de 1,24 (P = 0,22) para ocorrência de quedas após 1 ano em comparação aos que receberam 24.000 UI mensais. No clube de revista discutimos:
·         Maiores doses de vitamina D não foram associadas a melhora no escore SPPB, ou seja, não determinaram melhora no declínio funcional (equilíbrio, força e marcha) dos idosos;
·         A avaliação dos níveis de vitamina D como desfecho primário não é adequada, visto que, o aumento dos níveis de vitamina D após a reposição já é esperado;
·         O principal resultado do estudo, na verdade, é o aumento na incidência de quedas entre os pacientes que usaram maiores doses de vitamina D, embora a base fisiopatológica para este resultado ainda não seja compreendida;
·         Uma limitação do estudo é a ausência do grupo placebo.

Pílula do clube: O uso de doses altas de vitamina D3 não está associado à prevenção do declínio funcional em idosos e além disso se associa com maior incidência de quedas neste grupo.


Discutido no Clube de Revista de 11/01/2016.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ultrasonographic and clinical parameters for early differentiation between precocious puberty and premature thelarche

Liat de Vries, Gadi Horev, Michael Schwartz, and Moshe Phillip European Journal of Endocrinology 2006, 154:891–898 ht...