segunda-feira, 14 de abril de 2014

Comentário do Clube de Revista de 24/02/2014

The effect of vitamin D supplementation on skeletal, vascular, or cancer outcomes: a trial sequential meta-analysis
Mark J Bolland, Andrew Grey, Greg D Gamble, Ian R Reid

The Lancet Diabetes & Endocrinology, Early Online Publication, 24 January 2014

Para avaliar a necessidade de novos ensaios clínicos randomizados (ECR) avaliando os efeitos da vitamina D sobre desfechos ósseos e não-ósseos, foi realizada esta metanálise sequencial. Foram selecionados estudos a partir de metanálises recentes a respeito (jan/2009 a jan/2013): ECR que tivessem avaliado os efeitos da vitamina D (com ou sem cálcio) na incidência de fraturas, eventos cardiovasculares ou cerebrovasculares, câncer e mortalidade geral. Foram incluídos 40 ECRs (n> 80000 pacientes), idade de 53 a 89 anos. Na metanálise direta, o uso de vitamina D (com ou sem cálcio) não foi benéfico para qualquer um dos desfechos avaliados, mas com uma tendência de redução de mortalidade (RR 0,96 IC95% 0,93 – 1,0). Através da técnica de análise sequencial de trials, os autores buscaram se novos ECRs agregariam para conclusões definitivas sobre o assunto, utilizando como critério redução relativa de 5% na mortalidade e de 15% para os demais desfechos. Para os desfechos doença cardiovascular, cerebrovascular, câncer e fraturas em geral o critério de futilidade foi atingido e, portanto, novos estudos sobre o assunto não acrescentarão informação adicional. Para o desfecho fratura de quadril e mortalidade, há uma tendência de benefício, mas o tamanho ótimo de amostra ainda não foi atingido para conclusões definitivas. Das análises de sensibilidade, destacam-se: a redução dos critérios de 5% para 4% ou 3% (mordalidade geral) e de 15% para 10% (demais desfechos) altera pouco os resultados, mas aumenta de maneira significativa o número ótimo de pacientes a serem incluídos; o possível benefício em redução de fraturas de quadril foi encontrado apenas para análise de vitamina D associada com cálcio e em pacientes institucionalizados. Durante a discussão do Clube de Revista os seguintes pontos foram:
  • A seleção dos estudos se deu de maneira indireta (a partir de outra metanálise); mesmo assim não houve viés de puplicação e os principais estudos sobre o assunto foram incluídos no estudo;
  • As doses de vitamina D utilizadas nos diferentes estudos foram muito variadas, mas em geral suficientes, já que níveis séricos de vitamina D adequados aforam atingidos ao final dos estudos;
  • Uma limitação inerentes a todos os ECRs com uso de vitamina D é que os desfechos não-ósseos são (na grande maioria dos estudos) são análises secundárias e desfechos não definido a priori;
  • Os critérios utilizados (5% e 15% de redução relativa como limite de futilidade) parecem adequados, considerando que a significância clínica de benefícios menor que estes é questionável;
  • Apesar da análise estatística complexa, a descrição desta e dos resultados é bastante clara.


Pílula do Clube: os dados atuais são suficientes para descartar a possibilidade de que suplementação de vitamina D seja efetiva para reduzir em 15% a chance de eventos cardiovasculares, cerebrovasculares e câncer. O uso de vitamina D pode ter benefício para mortalidade geral e fraturas de quadril, mas os dados disponíveis ainda não permitem conclusões definitivas.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Lower versus Traditional Treatment Threshold for Neonatal Hypoglycemia

van Kempen AAMW, Eskes PF, Nuytemans DHGM, van der Lee JH, Dijksman LM, van Veenendaal NR, van der Hulst FJPCM, Moonen RMJ, Zimmermann LJI...