domingo, 26 de janeiro de 2014

Comentário do Clube de Revista de 06/01/2014

Calcium intake and risk of primary hyperparathyroidism in women: prospective cohort study
Julie M Paik, Gary C Curhan and Eric N Taylor

BMJ 2012, 345:e6390.

Esse estudo de coorte com 58.354 enfermeiras americanas de 30 a 55 anos provenientes do Nurses’ Health Study I (total de participantes 121.700) avaliou o risco de hiperparatireoidismo associado com a ingestão de cálcio. A hipótese era que baixa ingestão de cálcio seria um estímulo crônico sobre as paratireóides, podendo causar mutação somática que levaria à proliferação monoclonal, originando adenoma de paratireóide e hiperparatireoidismo primário. As participantes estavam sendo acompanhadas desde 1986 através de questionários bianuais sobre estilo de vida e identificação de doenças, sendo que os questionários de 2006 e 2008 tinham perguntas específicas sobre hiperparatireoidismo. Foram incluídas nas análises apenas as participantes que responderam estes questionários. Diários de frequência alimentar previamente validados foram usados a fim de quantificar a ingestão de cálcio bem como o uso de multivitamínicos, suplementações de vitamina D e outros componentes. Após a identificação de casos de hiperparatireoidismo primário nos questionários, a diferenciação entre casos de doença primária e secundária foi feita através de revisão de prontuários médicos. O diagnóstico de hiperparatireoidismo primário era confirmado quando havia exame anátomo-patológico compatível com adenoma ou quando cálcio total fosse ≥ 10.6 mg/dl e PTH ≥ 50 pg/ml. Eram excluídos casos de hiperparatireoidismo prévio ao início do estudo. Foram identificados 277 casos da doença ao longo de 22 anos de seguimento (1986 a 2008). Após ajuste para idade, IMC, raça e outras variáveis, o risco relativo de hiperparatireoidismo primário foi de 0,56 (IC95% RR 0,37-0,86 p= 0,009) no grupo de maior ingestão dietética de cálcio (média de 1.070 mg/dia) comparado ao grupo de menor ingestão (média de 443 mg/dia). Quando analisadas mulheres que consumiam > 500 mg/dia de cálcio em suplementos comparadas às que não realizavam essa suplementação, o risco relativo foi de 0,41 (IC95% RR 0,29-0,60). A associação entre o aumento do consumo de cálcio e redução do risco de hiperparatireoidismo primário permaneceu significativa quando a análise foi ajustada para: pacientes que realizavam ou não exames laboratoriais rotineiramente; idade (<65 anos versus ≥ 65 anos); estado menopausal e uso de terapia hormonal; níveis de consumo de vitamina D (acima versus abaixo da média de consumo de vitamina D) e consumo cumulativo de cálcio. Durante o clube, os seguintes pontos foram discutidos:
  • Não é possível generalizar os resultados encontrados nesse estudo, pois a população do mesmo corresponde a mulheres e em sua grande maioria brancas;
  • Este é o primeiro estudo a avaliar a associação entre hiperparatireoidismo primário e consumo de cálcio, devendo estes resultados serem repetidos em outros estudos e populações.

P
ílula do Clube:
Em mulheres, o aumento do consumo dietético, suplementar ou combinado de cálcio está independentemente associado à redução do risco de surgimento de hiperparatireoidismo primário.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Anabolic Effects of Nandrolone Decanoate in Patients Receiving Dialysis A Randomized Controlled Trial

Kisten L. Johansen, Kathleen Mulligan, Morris Schambelan JAMA 1999, 281(14):1275-81 https://jamanetwork.com/journals/jama/fullarticl...