quinta-feira, 26 de dezembro de 2019

Microvascular Complications of Posttransplant Diabetes Mellitus in Kidney Transplant Recipients: A Longitudinal Study


Thizá Massaia Londero, Luana Seminotti Giaretta, Luisa Penso Farenzena, Roberto Ceratti Manfro, Luis Henrique Canani, Daniel Lavinsky, Cristiane Bauermann Leitão, and Andrea Carla Bauer

J Clin Endocrinol Metab 2019, 104(2):557-567.

Diabetes Mellitus Pós Transplante – DMPT recebe essa denominação para hiperglicemia persistente pós-transplante desde 2014. Há poucos estudos avaliando complicações microvasculares neste tipo de diabetes, e o objetivo do presente estudo foi avaliar o curso clínico das complicações microvasculares diabéticas em receptores de transplante renal com mais de 5 anos de diagnóstico de DMPT. Foi feito uma coorte com dados históricos de pacientes do Hospital de Clínicas de Porto Alegre, transplantados renais de 2000 a 2011; dos 895 pacientes que fizeram transplante de rim, 40 foram avaliados por DMPT por mais de 5 anos, e 51 selecionados como controles, sem DMPT. Foram avaliadas complicações microvasculares: retinopatia – por SS-OCT e foto de fundo de olho; neuropatia periférica – questionário MSNI e monofilamento 10g; neuropatia autonômica – testes de Ewing e hipotensão postural; nefropatia – creatinina (TFGe por CKD-EPI) e índice proteína/creatinina na urina (IPC).
Nos resultados, a média de DMPT foi de 8 anos, e de hemoglobina glicada de 7,4%. Não houve diferença entre pacientes com e sem DMPT em relação a neuropatia autonômica, nefropatia e retinopatia (nenhum paciente avaliado apresentou alteração de retinopatia no fundo de olho). Mais de 60% dos pacientes com DMPT tiveram polineuropatia (OR 1,55; IC95% 1,26 a 1,91; P < 0,001), e mais pacientes com DMPT tiveram a camada retiniana avaliada por SS-OCT mais fina. Os seguintes pontos foram discutidos no Clube de Revista:
·       A maioria dos estudos bem conduzidos sobre DMPT avaliou complicações relacionadas ao transplante (mortalidade, perda de enxerto, doença cardiovascular) e este seria um estudo com desenho adequado para avaliar as complicações da hiperglicemia;
·       Um estudo anterior que avaliou complicações de DMPT era antigo (2007), com terapias diferentes na época para imunossupressão e infecções, e buscou por dados de CID-9 as complicações, não sendo dados específicos para diabetes. Na época, por esse estudo, as complicações seriam prevalentes (mais de 58% dos pacientes tinham pelo menos uma complicação), e foi avaliado até 3 anos de seguimento, o que levou ao pensamento de que as complicações se dariam de forma acelerada;
·       O presente estudo teve complicações microvasculares do DMPT com prevalência menor que a esperada;
·       Ausência de retinopatia foi inesperado (esperado de 6 a 23% para DM1 – por exemplo). Especula-se que afinamento da retina seja um achado inicial;
·       Ausência de diferença em função renal é semelhante a outros estudos;
·       Neuropatia autonômica interpretada com ressalvas devido às medicações em uso e a própria DRC – mais estudos são necessários;
·       O DMPT parece ser um tipo único de diabetes – não tão insulinopênico como DM1 e não tão inflamatório quanto tipo 2 – com repercussões mais leves em órgãos alvo em relação a complicações microvasculares.

Pílula do Clube: A prevalência de complicações microvasculares em pacientes com DMPT foi menor que o esperado neste estudo que avaliou pacientes com média de 8 anos de doença. Sugere-se avaliar neuropatia periférica após 5 anos do diagnóstico, e mais estudos para avaliar demais complicações, particularmente as alterações na retina.

Discutido no Clube de Revista de 16/12/2019.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Lower versus Traditional Treatment Threshold for Neonatal Hypoglycemia

van Kempen AAMW, Eskes PF, Nuytemans DHGM, van der Lee JH, Dijksman LM, van Veenendaal NR, van der Hulst FJPCM, Moonen RMJ, Zimmermann LJI...