sábado, 28 de setembro de 2013

Comentário do Clube de Revista de 10/06/2013

Roux-en-Y Gastric Bypass vc Intensive Medical Management for the Control of Type 2 Diabetes, Hypertenson, and Hyperlipidemia
The Diabetes Surgery Study Randomized Clinical Trial
Sayeed Ikramuddin, Judith Korner, Wei-Jei Lee, John E. Connett, Wulliam B. Inabnet III, Charles J. Billington, Avis J. Thomas, Daniel B. Leslie, Keong Chong, Robert W. Jeffery, Leaque Ahmed, Adrian Vella, Lee-Ming Chuang, Marc Bessler, Michael G. Sarr, James M. Swain, Patrica Laqua, Michael D. Jensen, John P. Bantle

JAMA 2013, 309(21): 2240-2249.

            Neste ECR, 60 pacientes submetidos à cirurgia bariátrica (bypass gástrico com Y-de-Roux) foram comparados a 60 pacientes tratados clinicamente. Todos os pacientes foram orientados quanto à modificação do estilo de vida (MEV) e receberam tratamento medicamentoso intensivo para as comorbidades (hipertensão arterial, dislipidemia e diabetes) e redução de peso (orlistate ou sibutramina), com seguimento de 1 ano. A amostra foi composta por pacientes com diabetes tipo 2, com 30-67 anos, IMC 30-39 kg/m2, HbA1C ≥8,0%, sem contraindicações à cirurgia. O desfecho primário foi alcançar as três metas seguintes: HbA1c <7,0 %, LDL-colesterol < 100 mg/dl e PAS <130 mmHg, e o desfecho secundário foi alcançar uma das seguintes: HbA1c <6,0%, redução de peso, eventos adversos, glicemia de jejum, HDL-colesterol, triglicerídeos, PAD, circunferência abdominal, quantidade de medicações em uso. Quanto aos resultados, houve redução de 26,1% do peso no grupo cirúrgico vs. 7,9% no grupo controle; 28 pacientes (49%) alcançaram o desfecho tríplice em um ano no grupo cirúrgico vs. 11 pacientes (19%) no grupo controle, OR 4,8 (IC 95% 1,9–11,7). Esta diferença foi secundária a diferença no controle glicêmico (HbA1C <7 % foi observada em 75% dos pacientes do grupo cirurgia e 32% do grupo controle, OR 6.0 (IC 95% 2.6–13.9). O grupo cirúrgico também apresentou melhora dos desfechos secundários (glicemia de jejum, triglicerídeos, HDL-colesterol, PAD e número de medicamentos usados). As taxas de eventos adversos graves e não graves foram maiores no grupo cirúrgico vs. clínico (24 vs. 15 eventos e 1 vs. 5 eventos, respectivamente). Durante o Clube de Revista, os seguintes pontos foram discutidos:
  • A redução de desfechos se relacionou principalmente à redução de peso, a qual foi maior, conforme esperado, no grupo cirúrgico;
  • Os eventos adversos ocorreram em maior número no grupo submetido ao procedimento cirúrgico, entretanto, existem alguns riscos que somente estes pacientes estavam expostos (efeitos adversos diretos da cirurgia e alteração do trânsito gastrintestinal);
  • O tempo de seguimento de apenas um ano limita avaliar presença de eventos adversos em longo prazo, bem como recuperação do peso e potencial recidiva de melhorias obtidas precocemente;
  • Como a amostra incluía pacientes já com critérios estabelecidos para submeter-se à cirurgia bariátrica (IMC >35 e comorbidades), avaliar os benefícios da cirurgia para pacientes com IMC <35 não foi é possível. 

Pílula do Clube: Cirurgia bariátrica (Bypass gástrico em Y-Roux) em pacientes com obesidade moderada e diabetes tipo 2 é capaz de reduzir peso e controlar comorbidades em 1 ano de seguimento, o que se relacionou principalmente à perda de peso ocorrida. O risco de efeitos adversos deve ser levado em consideração.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Lower versus Traditional Treatment Threshold for Neonatal Hypoglycemia

van Kempen AAMW, Eskes PF, Nuytemans DHGM, van der Lee JH, Dijksman LM, van Veenendaal NR, van der Hulst FJPCM, Moonen RMJ, Zimmermann LJI...