domingo, 16 de fevereiro de 2020

Anabolic Effects of Nandrolone Decanoate in Patients Receiving Dialysis A Randomized Controlled Trial


Kisten L. Johansen, Kathleen Mulligan, Morris Schambelan

JAMA 1999, 281(14):1275-81

         Pacientes em diálise comumente têm desnutrição e redução de massa muscular, que estão relacionados ao aumento de mortalidade. Sendo assim, visando melhorar desfechos, os agentes anabólicos surgem como possibilidade terapêutica para atenuar ou reverter esses fatores. A nandrolona já havia sido usada no passado para tratar a anemia associada à doença renal crônica, previamente à ampla disponibilidade da eritropoietina, porém nenhum estudo antes deste havia avaliado seu efeito anabólico. Este ensaio clínico randomizado, duplo-cego, placebo controlado, foi realizado para avaliar se uso de nandrolona por 6 meses poderia melhorar status funcional e nutricional em pacientes em terapia dialítica. Foram rastreados todos pacientes em diálise do San Francisco General Hospital Medical Center entre abril 1996 e julho 1997 e incluídos aqueles com desnutrição [índice bioquímico (2 ou mais dos seguintes parâmetros: albumina < 40 g/L, colesterol total < 150 mg/dL, transferrina < 2 g/L, taxa de catabolismo proteico < 0,8 g/Kg/dia, ureia pré-diálise < 60 mg/dL, IGF-1 < 300), composição corporal ou baixa qualidade de vida avaliada por questionário]. Foram excluídos aqueles em diálise há menos de 3 meses, uso de drogas ilícitas ou que pudessem estar em estado catabólico (ex. HIV, malignidade, corticoterapia, cirurgia ou infecção com necessidade de tratamento endovenoso nos últimos 3 meses). Todos pacientes assinaram termo de consentimento. Pacientes do estudo foram avaliados inicialmente através de anamnese, exame físico, composição corporal (balança eletrônica e DEXA), testes de força, resistência e desempenho físico (protocolo de esteira, teste de caminhada e subida de escadas, medida da força de preensão da mão) e avaliação da qualidade de vida através de questionários.
Os pacientes foram randomizados em blocos de quatro, para receber nandrolona 100 mg por semana, intramuscular, ou placebo. O tamanho da amostra foi determinado utilizando mudança na massa magra corporal como desfecho primário; 17 pacientes por grupo seriam necessários para detectar modificação de 2 Kg, com DP de 2 Kg, alfa 0,05 e beta 0,2. A amostra foi de 29 pacientes (14 alocados para nandrolona e 15 para placebo), maioria homens, idade média 47 ± 13 anos, 69% estavam em diálise por tempo 2,6 ± 2,3 anos.  A massa magra aumentou em pacientes recebendo nandrolona vs. Placebo (4,5 ± 2,3 kg; P<0,01 vs. o basal). Esse efeito foi maior do que a mudança no placebo (+1,9 ± 1,6 kg; P=0,003 vs. o basal; P=0,005 vs. nandrolona). Houve aumento na creatinina pré-diálise no grupo nandrolona (P= 0,02), sem aumento no grupo placebo (P=0,95), sugerindo correlação da elevação da creatinina sérica com a massa muscular. No quesito qualidade de vida, houve redução da fadiga em 6 meses (P=0,04) vs. o basal e placebo (P=0,85). O tempo para completar a caminhada e subida de escadas reduziu de 36,5 para 32,7 segundos no grupo nandrolona, enquanto no placebo aumentou de 38,7 para 42,1 (P=0,05). Não houve diferença nos demais parâmetros testados. Durante o estudo foi realizada monitorização de hemoglobina, hematócrito, transaminases e eventos adversos referidos pelos pacientes. Não houve descrição de eventos adversos graves no período do estudo. Os seguintes pontos foram discutidos no clube:
·         A amostra não foi calculada para todos desfechos de interesse e aparentemente pequena para avaliação funcional;
·         Não foi realizada avaliação sistemática de eventos adversos associados ao uso de anabolizantes;
·         Devido à gravidade dos pacientes, principalmente por risco cardiovascular aumentado, poucos pacientes estavam aptos a realizar teste em esteira ou completá-lo.

Pílula do Clube: Em pacientes debilitados em diálise, houve ganho de massa magra em 6 meses com uso de nandrolona, com aparente aumento de funcionalidade e qualidade de vida. A medicação foi bem tolerada no período, porém não foi avaliada segurança em longo prazo deste anabolizante.

Discutido no Clube de Revista de 27/01/2020.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ultrasonographic and clinical parameters for early differentiation between precocious puberty and premature thelarche

Liat de Vries, Gadi Horev, Michael Schwartz, and Moshe Phillip European Journal of Endocrinology 2006, 154:891–898 ht...