segunda-feira, 5 de setembro de 2016

Association Between Achieved Low-Density Lipoprotein Levels and Major Adverse Cardiac Events in Patients With Stable Ischemic Heart Disease Taking Statin Treatment

Morton Leibowitz, Tomas Karpati, Chandra J. Cohen-Stavi, Becca S. Feldman, Moshe Hoshen, Haim Bitterman, Samy Suissa, Ran D. Balicer.

JAMA Intern Med 2016, 176(8):1105-13.

Trata-se de estudo de coorte com o objetivo de avaliar a associação entre os níveis de LDL alcançados e eventos cardiovasculares em pacientes com doença cardíaca isquêmica em uso de estatinas. Foram incluídos pacientes entre 30 a 84 anos com diagnóstico de doença coronariana isquêmica necessitando de prevenção secundária [devido à infarto agudo do miocárdio (IAM), angina instável, angioplastia coronariana percutânea (ACTP) ou bypass coronariano], que possuíam medidas de LDL-c e com aderência (>80%) à terapia de estatinas. Foram excluídos pacientes com hipo ou hipertireoidismo, glicemia jejum >300 mg/dL, LDL-c >300 mg/dL ou triglicerídios >600 mg/dL. Foram obtidos dados demográficos do centro de estatística Israelense e dados de saúde (prontuário, doenças, nota de alta, exames, medicamentos) do Clalit Health Services. Na análise estatística foram usados os teste de qui-quadrado, t de Student e Mann-Whitney para comparação entre os grupos. Os pacientes foram divididos em três grupos de acordo com os níveis de LDL-c alcançados após 1 ano de terapia com estatinas: grupo LDL-c baixo (<70 mg/dL),  LDL-c moderado (70-100 mg/dL) e LDL-c alto (100 a 130 mg/dL). Foi utilizado propensity score para parear as variáveis a fim de garantir uma distribuição mais equilibrada de confundidores entre os grupos, aumentando a comparabilidade entre eles. Antes da aplicação do propensity score, observou-se que o grupo LDL baixo era composto de indivíduos com mais idade, maior proporção de homens, maior prevalência de comorbidades (diabetes, insuficiência cardíaca, fibrilação atrial), e menor tempo de uso de estatinas do que os grupos LDL-c moderado e LDL-c alto. Após ajuste para o propensity score, não houve diferença na taxa de hazard ratio para eventos cardíacos maiores (MACEs) entre os grupos de baixo e moderado LDL-c, porém houve maior taxa de MACEs (81,4 vs. 73,3 por mil pessoas-ano) LDL-c alto vs. LDL-moderado. Análises de sensibilidade excluindo mortalidade por todas as causas confirmaram resultado anterior. Durante o clube foram discutidos os seguintes pontos:
  • Está bem estabelecido na literatura o benefício do uso de estatinas de alta potência para prevenção secundária de pacientes com doença arterial coronariana, porém, o LDL-c alvo ainda é discutível;
  • Neste estudo observacional, não foi demonstrado benefício em alcançar níveis de LDL-c menor de 70mg/dL;
  • Não foram descritos efeitos adversos associados ao uso de estatinas como mialgia, nefropatia ou desencadeamento de diabetes mellitus;
  • Por se tratar de estudo observacional, apresenta como limitação o viés de seleção e ser baseado em dados de prontuário/banco de dados.


Pílula do Clube: Em pacientes com doença coronariana isquêmica, não parece haver benefício em redução de LDL-c para níveis menores de 70mg/dL. 


Discutido no Clube de Revista de 11/07/2016.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Lower versus Traditional Treatment Threshold for Neonatal Hypoglycemia

van Kempen AAMW, Eskes PF, Nuytemans DHGM, van der Lee JH, Dijksman LM, van Veenendaal NR, van der Hulst FJPCM, Moonen RMJ, Zimmermann LJI...